Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Gato de loiça

Meu amigo, se chegaste até aqui, os meus parabéns, mas devo já confessar-te que daqui não sairão textos eloquentes, histórias de encantar e palavras bonitas. Se quiseres fica e lê, sê bem vindo.

Gato de loiça

Meu amigo, se chegaste até aqui, os meus parabéns, mas devo já confessar-te que daqui não sairão textos eloquentes, histórias de encantar e palavras bonitas. Se quiseres fica e lê, sê bem vindo.

A minha mãe tornou-se a minha melhor amiga

Março 16, 2018

gatodeloiça

Quando somos crianças os nossos pais são o centro do mundo. São os modelos e queremos copiá-los. queremos ser amados por eles, sendo a coisa mais importante do nosso mundo de criança. Apenas o seu amor nos basta.

A mãe é sempre aquela figura que quando somos pequenos é tudo para nós, quem tem uma mãe tem tudo, costuma dizer-se. Estamos próximos dela e ela de nós.

À medida que vamos crescendo, o mundo começa a interessar-nos e muitas vezes substituímos a relação com a mãe, pelos amigos ou namorado. A mãe passa a ficar para segundo ou terceiro plano.

Há indubitavelmente um afastamento crescente, decorrente da idade e do tempo que vai passando.

Talvez quando crescemos ainda mais, e temos os nossos primeiros filhos, volta a haver uma proximidade, talvez na semelhança de sermos filhos e pais também, aí já nós fazemos o papel de pais, que até então nunca tínhamos feito e aí começamos a experienciar o mesmo que eles já experienciaram há umas décadas atrás. Mas embora a relação fique mais próxima, às vezes não vai além das conversas sobre os netos, fraldas e biberões, birras e outras coisas.

Porém às vezes é preciso haver uma crise, uma situação qualquer que ponha tudo em perspetiva e que havendo mais ou menos consenso, há naturalmente mais ou menos proximidade.

Mas às vezes é preciso construir de novo, partir de novos começos e reconstruir a nova relação.

Já não somos crianças, já somos adultos, com vida própria.

Mas o engraçado, há elos que nunca se quebram, mesmo saídos das cinzas, e sabemos que sim são essas as pessoas que nos acompanham e que nos apoiam, mesmo não concordando em tudo.

Aí sabemos que o amor de mãe é para sempre, mesmo que estejamos próximas ou nos afastemos, mesmo que passe muito ou pouco tempo.

Quando chegamos à idade adulta,  a mãe já está velhota, mas talvez seja nesta diferença de idades que conseguimos fazer um upgrade de todo o tempo passado e a relação volte a ser o que era.

6 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D