Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Gato de loiça

Meu amigo, se chegaste até aqui, os meus parabéns, mas devo já confessar-te que daqui não sairão textos eloquentes, histórias de encantar e palavras bonitas. Se quiseres fica e lê, sê bem vindo.

Gato de loiça

Meu amigo, se chegaste até aqui, os meus parabéns, mas devo já confessar-te que daqui não sairão textos eloquentes, histórias de encantar e palavras bonitas. Se quiseres fica e lê, sê bem vindo.

Qual a duração do sofrimento?

Fevereiro 19, 2018

gatodeloiça

Já li alguns testemunhos de pessoas que foram sujeitas a situações graves de sofrimento; como por exemplo uma senhora que sobreviveu, ainda em criança, ao genocídio de toda a sua família aquando a invasão do regime nazi.

De família judaica, a criança que entretanto cresceu e já idosa, respondeu à pergunta, que faltava: " Como conseguiu lidar com o sofrimento gerado pela morte de sua família?

Outro caso, noticiado não há muitos anos, de uma mulher que morreu, aquando um atentado em Londres conduzindo ao sofrimento do marido e filha.

Certamente primeiro deve vir a revolta e em seguida o sofrimento, o luto.

Mas a pergunta que permanece é: " Como conseguiram resgatar a alegria? Como conseguiram ultrapassar o sofrimento?"

No primeiro caso, a senhora referiu que se continuasse a sofrer, o sofrimento continuava pela sua vida fora, por isso decidiu como queria estar e passar o resto do tempo da sua vida, a decisão era dela, por isso decidiu que o sofrimento não podia continuar a ser o sofrimento causado pela aquela situação de outrora. Por isso, sem desrespeitar os sentimentos do passado e dos seus entes familiares, queria ser feliz e não queria dar mais motivos para a infelicidade. Não queria também que o sofrimento causado pelos nazis, causando a morte da sua família, continuasse estando ela viva.

O segundo caso, usou o perdão como ferramenta para superar a dor.

Pensou que através do perdão, pudesse ter a paz necessária para prosseguir a sua vida, de outra forma, a raiva continuaria a consumi-lo.

O perdão no entanto, não era no sentido de aceitar o que os terroristas lhe haviam feito, era no sentido de encontrar a paz, necessária para viver.

Os putos de hoje em dia

Fevereiro 18, 2018

gatodeloiça

A sociedade mudou muito. Principalmente em relação aos miúdos de hoje em dia. Quando antigamente os nossos pais diziam não, era NÃO, agora o não dos pais, para eles é um TALVEZ.; ou seja, surge como uma plataforma de negociação, em que o não se pode transformar num SIM.

A minha filha inclusive, uma vez contou-me que via como os miúdos conseguiam as coisas, quando os pais ou os professores diziam NÃO, eles lá pedinchavam ou lá chateavam quem tinham que chatear, e os adultos, provavelmente para os calar, acabavam por dizer o SIM.

Os miúdos de hoje em dia não têm pudor, nem problema de questionar-nos, correta ou incorretamente, acham que têm palavra a dizer em tudo, e que a palavra de uma criança, vale tanto ou mais que o dos pais. Na ótica deles, eles é que sabem, eles é que têm razão, e se for preciso, quando lhes dizemos não, acham que são uns coitadinhos, a quem lhes negamos algo imprescindível à sua alegria e felicidade.

Claro que entre os meus alunos, há sempre quem tenha esta estratégia mais desenvolvida, e asseguro-vos cada vez tem mais adeptos.

É importante que os pais façam prevalecer a sua palavra, e que façam perceber aos miúdos quem manda nas regras do jogo são os pais e ao contrário do que algumas pessoas possam pensar, não é preciso andar a justificar a toda a hora.

A qualidade dos nossos pensamentos

Fevereiro 17, 2018

gatodeloiça

Os nossos pensamentos podem alterar a nossa visão quanto à perceção do nosso eu, principalmente os pensamentos negativos. Poderão condicionar os nossos modos de agir posteriormente.

Quando surgem, depois de nos ter sucedido algo menos bom, deixam-nos mais em tensos, ansiosos, que poderão conduzir a estados de tristeza .

Uma coisa é certa, se os alterarmos, vendo-os pela positiva, desconstruíndo-os aos poucos, deixarão de ter a força inicial que lhes atribuímos e dissipam-se aos poucos.

Por isso é que dizemos que o tempo cura tudo, pois o tempo tem o poder de nos irmos distanciando dos mesmos aos poucos, e o que víamos naquela altura como muito importante e fulcral para nós, deixa de o ser.

São só pensamentos que nem sempre correspondem à verdade, podendo distorcer a realidade sobre nós, são apenas perceções do nosso eu, naquele momento, e nem sempre temos a capacidade de escolhermos os melhores pensamentos. Factores exteriores, podem influenciar-nos negativamente, pondo em cheque a nossa autoestima.

Podem surgir como verdades inabaláveis, que acreditamos, e nem sempre são. Têm uma " verdade" relativa.

Que tal experimentar o seguinte exercício connosco?

Isto é verdade? 

Que peso estou a atribuir a este pensamento?

Que importânia terá isto daqui a bocado? ou daqui a algum tempo?

 

 

Será que é sempre assim?

Fevereiro 16, 2018

gatodeloiça

Há algo de "interessante" quando as relações começam.

Dá-me sempre a ideia que um apaixona-se primeiro que o outro. Pela experiência , há sempre alguém que se encanta com um outro e que o outro nem sempre está virado para o assunto.

Sempre me dei conta quando era mais nova que os rapazes por quem tinha uma atração qualquer não me passavam cartão, por outro lado os que se apaixonavam por mim, nunca me apaixonava verdadeiramente por eles, logo de início.

Sabemos que para conhecer alguém, demora o seu tempo, é certo e sabido, mas havia sempre um desencontro de olhares inicial, quando se apaixonavam por mim, atraia-lhes sempre algo que não me interessava a mim, havia ali sempre algo como que um desencontro. Como que um engano. Talvez seja a "ansiedade" por queremos ser amadas, que depois acabamos por nos apaixonar por quem gosta de nós, só porque sim.

Só através dos galanteios ou outras manifestações, lá me apaixonava por eles. Mas nunca há primeira. 

Descobri um pensamento de Miguel Esteves Cardoso  que traduz isto : " A maior sorte é pensar que a pessoa amada, à força de ser tão amada, quase por questão de empatia e reciprocidade, começa a enganar-se e sente que nos ama também."

 

 

Pobre memória

Fevereiro 15, 2018

gatodeloiça

Cada vez tenho mais a certeza que um dia terei alzheimer.

Não sei se será bom ao mau, mas pelo menos não me lembrarei de nada.

Não gosto de andar carregada, e apenas levo dois itens no dia a dia: mala e mala dos livros; mais do que isso, dá esquecimento do terceiro item em qualquer parte. Os chapéus de chuva são sempre os melhores candidatos.

Há tempos começou a chover, e não tendo chapéu de chuva, pensando que o tinha perdido, acabei por comprar outro, tendo vindo a descobri-lo mais tarde, no meu local de trabalho.

O mais caricato, é que na semana passada levei chapéu de chuva para o conservatório, tendo-o deixado lá.

No regresso a casa, lembrei-me dele, mas com pouca vontade de regressar e ir buscá-lo, pensei: " para a semana, trago-o".

Nunca mais me lembrei dele.

Passou uma semana e fui às aulas do conservatório, chovia, e pelo caminho passei num café.

Quando estava a entrar nas aulas, uma simpática senhora, abordou-me e disse: " Não se esqueceu de um chapéu de chuva?"

" Sim", respondi eu, " Já nem me lembrava"!!!

Resumindo, esqueci-me do chapéu de chuva no café onde fora anteriormente, mas levara o da semana passada que estava no conservatório!

 

 

Guardar segredos

Fevereiro 14, 2018

gatodeloiça

Há pessoas que são como livros abertos; outras há que são tão reservadas que nem chegamos a conhecê-las.

Descobri que há coisas que devemos guardar só para nós, segredos, bons segredos ou histórias que contamos a nós mesmos.

Há coisas preciosas dentro de nós, que só connosco vivem, que só connosco devem ficar!

É bom deixar coisas em segredo!

Notícia : "Casamentos subiram em 2017"

Fevereiro 14, 2018

gatodeloiça

Saíu uma notícia recentemente que dava conta que os casamentos subiram depois da crise. Penso que antes ou depois da crise, casar é sempre um aspeto salutar! Significa que as pessoas querem comemorar o amor a longo prazo e assumir um compromisso com a sua cara metade.

Penso que sendo a primeira vez, ou segunda é sempre bom comemorar o amor,ou descobrir o amor verdadeiro.

Penso que o amor verdadeiro só surge depois do namoro, ou seja no dia a dia, e não antes. 

O namoro é sempre uma espécie de estágio, mas com apenas as coisas boas, sem as outras que se vive no dia a dia, ou seja na rotina do dia a dia, no casamento.

Se correr bem ou não é sempre outra história, o que não invalida as pessoas apaixonarem-se e viverem uma relação.

Para o bem ou para mal, acrescenta-nos sempre, principalmente se tivermos filhos, e não há nada melhor do que constituir família.

Dia Mundial da Rádio

Fevereiro 13, 2018

gatodeloiça

Hoje não podia deixar de elogiar uma das minhas companhias no vaivém do trabalho-casa ou para outro lugar qualquer, a Rádio.

E ainda bem que este meio de comunicação social se adaptou tão bem às novas tecnologias, temendo-se que os seus dias estariam contados!

Pelo contrário! Continua bem viva e faz companhia a milhares de ouvintes em todo o país!

O Dia Mundial da Rádio celebra-se hoje, dia  13 de fevereiro e o primeiro Dia Mundial da Rádio foi celebrado em 2012. Estima-se que as pessoas ouvem rádio cerca de três horas por dia.

Para além da música, que nos distraí , mantém-nos sempre informados com notícias de todo o mundo, promovendo programas culturais, debates, entrevistas, anedotas ou  mesmo na divulgação de factos e histórias.

A rádio acompanhou desde sempre os principais acontecimentos históricos mundiais e continua a ser um meio de comunicação fundamental, estimado por muitos.

A arte de ser autónomo - desenrascou-se

Fevereiro 13, 2018

gatodeloiça

Para mim, uma criança aprender a ser autónoma é mais importante do que aprender um conjunto de matérias de uma qualquer disciplina.

Vejo pela minha filha; não sabe fazer tudo, está a aprender, mas em vez depender de mim e de outros para a ajudarem a fazer os trabalhos de casa, ou a estudar, aprendeu a depender dela.

Ou seja, procurou desafiar-se a si mesma, procurando recursos disponíveis para ultrapassar a situação.

Mais do que isso, desenvolveu recursos e ferramentas dentro dela, aprendeu a desenrascar-se.

 

E estava feliz quando se apercebeu disso!

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D