Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Gato de loiça

Meu amigo, se chegaste até aqui, os meus parabéns, mas devo já confessar-te que daqui não sairão textos eloquentes, histórias de encantar e palavras bonitas. Se quiseres fica e lê, sê bem vindo.

Gato de loiça

Meu amigo, se chegaste até aqui, os meus parabéns, mas devo já confessar-te que daqui não sairão textos eloquentes, histórias de encantar e palavras bonitas. Se quiseres fica e lê, sê bem vindo.

Os comentários

Janeiro 26, 2018

gatodeloiça

Não falo aqui especificamente no Sapo Blogs, falo em geral quando leio notícias em ambiente digital.

Às vezes tenho curiosidade de ler os comentários de outras pessoas.

A maior parte das vezes é o bota abaixo, outras se as pessoas não concordam umas com as outras quase se matam ali, ali vale tudo, desde insultarem-se uns aos outros, desviando-se assim do tópico principal.

Alguém já disse que nas redes e afins, que as pessoas andam muito agressivas, não sabem ouvir ou ler a opinião alheia, querendo ter apenas "razão".

Onde pára o respeito pela opinião alheia? Onde começa a educação?

Desapareceu?

Dá-me ideia que as pessoas que comentam notícias, sendo elas com mais ou menos relevância, escrevem por deboche, para descarregar frustrações.

Será?

Ao ler uma notícia sobre o actor do conhecidíssimo filme " Sozinho em casa", que declarou que teve uma infância difícil, e que os pais por vezes o deixavam trancado em casa; há comentários para todos os gostos, desde, e passo a citar:" Mais uma história do peido!" , " ...coitadito, até eu te deixava em casa..." entre outros.

Neste caso até nem foi o caso mais grave que li, mas lembro-me há tempos que morreu uma bloogeira francesa do fitness, por uma lata de chantilly lhe ter explodido na cara, nem imaginam os comentários. A pena pela pobre senhora foi pouca, e houve dezenas de comentários desde os mais sarcásticos aos mais .....engraçados.

Às tantas já gozavam com tudo e mais alguma coisa que nem tinha a ver com a morte da senhora ( graças a Deus!). Só aí havia piada, quando gozavam uns com os outros.

É como tudo, se for a brincar, numa boa, todos se divertem, até eu que estive a ler só os comentários.

Toca a fazer emojis!

Janeiro 25, 2018

gatodeloiça

transferir.jpg

 

 

 

E não é que os emojis, servem também para outras coisas?

Saiu um estudo que abordava que as mulheres que faziam regularmente expressões faciais a imitar os emojis, que rejuvesnesciam cerca de três anos, com a continuação da ginástica facial.

Engraçado porque a verdade é esta , quando saímos do ginásio sabemos que mexemos músculos que se calhar nem sabíamos que existiam, mas a face continua intacta, não há ginástica específica no ginásio para o rosto!

Li também num livro de beleza feminina a falar do mesmo, ou seja fazermos caretas com a cara, ajuda a tonificar os músculos do rosto!

 

Que tal experimentar?

Confesso que experimento às vezes quando estou a conduzir, mas tenho cuidado de olhar para o lado de vez enquando, não vá algum condutor dar conta!

 

Aí se não fossem os "velhos"!!!!!

Janeiro 24, 2018

gatodeloiça

Reparei hoje à tarde quando ia buscar o meu filho à escola num par de velhotas a passear de carrinho de bebé.

Cada vez mais se verifica que são os ditos "velhos" que a sociedade apelida e que acha que não valem nada, e às vezes já se encontram na idade da reforma, assumem novamente funções.

São eles que vão buscar os netos à escola, levar ao ballet, tomam conta dos netos enquanto os pais não regressam do trabalho, e no entretanto preparam o jantar, dãos-lhes o banho, etc.

A realidade laboral que vivemos é extremamente exaustiva para os pais, entre trabalhos mal pagos ou de turnos, pouco tempo lhes sobra para tomar conta ou estar com os filhos, a sorte de alguns é que os avós que por proximidade geográfica, vão assumindo cada vez mais esse o papel, o de pais.

 A sociedade hoje em dia, profundamente virada para o meio laboral, descura de outros aspectos extremamente importantes no meu ponto de vista, como a educação dos filhos.

Tudo isto tem repercussões.

Como se pode educar se não há tempo? E se o pouco tempo que sobra aos pais é preparar o jantar, ir às compras , dar os banhos e jantar? 

Há pouco tempo para conviver, em ambiente familiar, há pouco tempo para se conhecerem, para estarem a par da realidade dos seus filhos, e serem o que às vezes faz falta, na verdadeira essência da palavra:  uma família.

Há países que já tomaram consciência das repercussões negativas do número elevado de horas que dedicamos à parte laboral, e em benefício das famílias, reduziram o número de horas, pois consideram que é mais valioso o desenvolvimento harmonioso do ser humano, do que apenas a visão lucrativa da sociedade.

Nota-se, por testemunhos que já li, que sentem-se mais felizes, em comunhão com as suas famílias, com a sua casa e meio ambiente.

Em 2015, a Suécia encurtou o dia laboral dos seus trabalhadores, passando de oito horas diárias para seis, para aumentar a alegria, note-se a alegria, e a produtividade.

Pode parecer confuso, menos horas mais produtividade? Mas parece que segundo um estudo que li, as pessoas que trabalham menos horas, sentem-se mais felizes no trabalho, logo produzem mais.

Portugal, segundo dados de 2015, ocupa a 25ª posição em relação aos países que trabalham menos horas, com os portugueses a trabalharem 1853 horas por ano, mais (aproximadamente) 500 horas por ano do que os alemães, que ocupam a primeira posição.

O dinheiro não é tudo, podem ter a certeza que não.

E não é que funciona?

Janeiro 24, 2018

gatodeloiça

 

 

IMG_20171105_100442.jpg

 

Sou adepta convicta de uma boa chávena de café.

É dos poucos grandes prazeres que tenho. Há tempos comprei uma máquina de café marca Pingo Doce, mas para meu desaire, não gosto lá muito do sabor do café da marca. Tentei obter logo cápsulas compatíveis para continuar a saborear o seu sabor. E não é que não têm cápsulas compatíveis?????

Puxa! Fiquei desanimada. Ainda tentei fazer umas aldrabices, mas quase que a máquina avariou.

Adiante, pesquisei se não haveria uma cápsula compatível, não há, mas pelo meio descobri uma técnica, que na altura pensei logo " isto não é para mim"; " tenho lá paciência para isso!"

Mas o que é certo é que lá experimentei: a técnica consiste, comprarmos um lote de café que gostemos e reutizando as cápsulas antigas, introduzimos o novo café.

Não é que resulta? E o café fica saboroso, mesmo como eu gosto.

 

Vai um cafezinho?

Pontos verdes

Janeiro 23, 2018

gatodeloiça

 

                                             sala-decorada-decorar-com-plantas-estilo-boemio.jp  

 

Não tenho varanda, nem terraço, jardim muito menos, mas confesso que sou uma adepta dos pontos verdes em casa , nas janelas, prateleiras, penduradas, em cima dos móveis ou mesmo no chão.

Adoro plantas espalhadas pela casa, se tivesse mais espaço colocaria mais, mas como está, também está bem.

É como se a natureza entrasse dentro da nossa casa.

E que seja bem vinda!

 

O facebook na terra dos sonhos

Janeiro 23, 2018

gatodeloiça

Quem é que na sua carteira social tem 687 amigos?

Ninguém.

Ninguém com juízo, claro. Amigos mesmo, daqueles do peito, ninguém tem esse número. Só mesmo numa rede virtual. 

Há pessoas que o seu objetivo é só mesmo aumentar o número, nada mais! Auto-promoção, basicamente!

Nem se dão ao trabalho de nos dizerem um "olá", uma vez que pediram a amizade, então fico a pensar" Why did they bother?"

Pensando bem, também não deve dar muito trabalho pedir a tal amizade, clicam em 20 ou 30 pessoas de uma só vez.

Raramente faço novas amizades no face, mas de vez enquando há pessoas que se dão ao trabalho de dizer um olá, ou elogiar algo. Por isso, de tempos a tempos, faço uma "triagem": aqueles que fazem de candeeiro, daqueles que valem a pena.

Mais do que aumentar o número das ditas amizades, há muita auto promoção, ou dos seus produtos, uma parte comercial.

Há também uma parte importante, para as pessoas usam o facebook: a do engate.

Curiosamente, de tempos a tempos, tenho um maçarico qualquer a fazer conversa, e o mais engraçado, (ainda tenho que fazer um levantamento de dados); são árabes!

Por isso, pergunto-me: até que ponto a rede social facebook promove mesmo a amizade?

A falta que uma mãe faz

Janeiro 22, 2018

gatodeloiça

Há uma aluna lá na escola, que não é minha aluna, que perdeu a mãe aos sete anos.

Sinto que foi uma perda muito grande para esta garota, pois quando olho para os meus filhos, penso na falta que ainda lhes faço.

Ter uma mãe é o melhor que há, penso sempre que é como uma amiga que dá ordens, mas que no fundo é uma amiga, alguém que podemos sempre contar, quando precisamos de um colo, de uma palavra amiga, ou de ajuda para qualquer coisa.

Vejo que procura a presença das professoras, tentando colmatar a sua solidão e vazio interior, no entanto é uma menina corajosa!

Sinto pelas conversas que tenho com ela que sente um vazio que não consegue preencher e nos seus dias são passados de forma lenta e triste.

Porém tem força, que tenta arranjar dentro de si.Escreve contos que me dá a ler e espera por mim, todas as segundas feiras, para conversar comigo.

Olho para mim, e vejo a minha mãe como uma amiga, que desabafo tudo e mais alguma coisa (bem, tudo também não, há sempre coisas que guardamos para nós), mas se for preciso ainda me faz uma sopa ao fim de semana.

Penso que se nos faz falta ainda em adultos, quanto mais a uma criança!

Por isso, não há nada como uma mãe!

A medida certa

Janeiro 21, 2018

gatodeloiça

Vejo a confiança como um fio que se vai desenrolando lentamente de um rolo.

Quando conhecemos alguém, é sempre difícil inicialmente, saber se devemos desenrolar mais ou menos o tal rolo.

Às vezes, consoante as nossas expectativas altas ou baixas, desenrolamos a mais ou de menos, e há sempre o risco de desenrolarmos mais do que devemos .

Isto acontece sobretudo, quando nos entusiasmamos com alguém, podemos ter sempre a tendência de soltar mais a corda do que quando alguém não nos suscita empatia.

Também poderá surgir o contrário, pessoas que não damos tanta corda, surgirem como pessoas de confiança, embora quanto a mim, o inverso é pouco recorrente.

Às vezes, as nossas expectativas saem goradas, pois não se adequaram à quantidade de rolo que soltámos, pois não eram de acordo com o que as pessoas valiam, mas isso nós não sabíamos, até conhecer realmente a pessoa.

Independentemente disso, uma coisa é certa, as pessoas não são todas iguais, e lá porque uma ou outra relação nos saiu gorada pelo caminho, não significa que com todas as outras se passe o mesmo.

O ideal mesmo é ir largando o rolo à medida que as formos conhecendo.

 

 

 

Aceitar doí menos

Janeiro 20, 2018

gatodeloiça

Li no outro dia, alguém que dizia isto "Aceitar doí menos", aceitar portanto as contrariedades da vida, doí menos.

E é verdade, normalmente esperamos da muito da vida, como se tivesse alguma obrigação para connosco: ter uma boa profissão, uma casa de sonho, um amor que dure para sempre, dinheiro na conta, viagens, portanto uma vida de sonho. Aceitar não significa que concordemos com as pessoas ou situações, significa apenas que aceitamos que não estão nas nossas mãos em modificá-las, que são mesmo assim, que são a sua natureza.

Porém, a verdade é que muitas vezes não nos acontece nada disto, ficando nós ressabiados com a vida, o ideal é não esperar que a vida nos faça as vontades, aceitando como ela vem e vendo-a como um privilégio.

Doí menos e se retirarmos as expectativas tão altas que lhe colocamos, vivemos mais satisfeitos.

 Como diz um provérbio:

" No fim corre tudo bem, se não correr, é porque ainda não acabou!"

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D